terça-feira, 20 de março de 2012

E quando eu paro de me importar, já era.


Tati Bernardi fala por mim:
"Mulher não desiste, se cansa. A gente tem essa coisa de ir até o fim, esgotar todas as possibilidades, pagar pra ver. A gente paga mesmo. Paga caro, com juros e até parcelado. Mas não tem preço sair de cabeça erguida, sem culpa, sem ‘E se’ ! A gente completa o percurso e ás vezes fica até andando em círculos, mas quando a gente muda de caminho, meu amigo, é fim de jogo pra você. Enquanto a gente enche o saco com ciúmes e saudade, para de reclamar e agradece a Deus! Porque no dia que a gente aceitar tranquilamente te dividir com o mundo, a gente não ficou mais compreensiva, a gente parou de se importar, já era. Quem ama, cuida! E a gente cuida até demais, mas dar sem receber é caridade, não carinho! E estamos numa relação, não numa sessão espírita. A gente entende e respeita seu jeito, desde que você supra pelo menos o mínimo das nossas necessidades, principalmente emocionais, porque carne tem em qualquer esquina. Vocês nem sempre sabem, mas além de peito e bunda, a gente tem sentimentos, quase sempre a flor da pele. Somos damas, somos dramas, acostumem-se. Mulher não é boneca inflável, só tem quem pode! Levar muitos corpos pra cama é fácil, quero ver aguentar o tranco de conquistar corpo e alma, até o final."
E coitado dos que me perdam, pois perderam um grande mulher. Sem falsa modéstia.
Bjoks

segunda-feira, 12 de março de 2012

Das Cartas que não enviei - Em busca...

Preciso me afastar de ti por um tempo. Preciso dar um tempo pro meu coração respirar e, assim, tentar entender tudo o que se passa dentro dele. Sempre que começo a me questionar se algo vale à pena, acredito que já não valha mais, pois se valesse não haveria dúvida e nesse momento são muitas às que me cercam.
Adoro estar junto de ti. Tudo que acontece sempre é legal, mas busco mais que isso. Busco reciprocidade. Busco parceria. Busco viver um amor. Sei a intensidade, a força e a sinceridade do que sinto por ti. Sei que me transformei numa pessoa muito melhor depois que você entrou em minha vida e despertou em meu coração a possibilidade de amar novamente, me transformando muitas vezes na minha melhor “versão” de mim. Mas a minha esperança de poder fazer o mesmo com você se esgota. Cessam as minhas tentativas de mostrar tudo o que você pode também. Vejo sua evolução em diversas áreas, mas sei que não moro num lugar de destaque em seu coração. Já vivi como coadjuvante na vida de uma pessoa e prometi nunca mais me contentar com isso se o que eu verdadeiramente almejo é o papel principal. Talvez seja o momento de sair de cena me despir desse capítulo e tentar outros caminhos. Talvez dessa forma você tenha como avaliar se eu faço ou não diferença no seu espetáculo chamado vida.
Não é fácil. Acho estranho depois de tanto tempo, de tanta dedicação voluntária de minha parte, tudo se acalmar aqui dentro e de repente tudo o que eu desejei, sonhei, chorei... Simplesmente acabar. Eu abrir mão. Mas preciso fazê-lo, pois é pela minha felicidade. Abrir mão de estar ao lado de quem eu sempre quis ao meu lado e, verdadeiramente, nunca esteve.
Caso você perceba que eu sou especial e mereço o tal papel principal em sua vida, me avise, pois tudo o que sinto está enfraquecido, desmotivado, mas tenho certeza que ainda vive dentro de mim. Porém se isso não acontecer, que a vida não nos afaste totalmente.
Que possamos levar uma amizade bonita e sincera, onde tudo o que vivemos possa sempre trazer boas lembranças e um sorriso no rosto.
Sinto-me bem e segura, mas está doendo. Que tudo isso passe logo. Vida que segue.