segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Pro amor não há receita


Se a história se concretizasse dentro dos corações seria uma linda história de amor, onde dois grandes amigos que se admiram, se respeitam, se confidenciam e confiam mutuamente se apaixonam, mas não é tão simples assim.

Quando alguém pede que eu descreva as características que busco em um possível amor / companheiro eu o descrevo. Quando penso no nível de confiança, valores morais, gostos em comum e em quase todos os pré-requisitos estabelecidos racionalmente ele os preenche.

Quando alguém pede que ele descreva as características que ele busca em um possível amor/companheira ele, em muito, me descreve. Quando aponta valores, pontos de vista em comum, objetivos e, até atributos físicos, eu preencho os pré-requisitos.

Nos conhecemos de maneira inusitada, mas desde sempre descobrimos uma amizade linda. Após anos de vários programas “de casal”, confidências, amores em paralelo um dia eu achei que pudesse está confundindo tudo. Tive uma reação diferente ao ler um comentário dele aqui no blog. Vi que não tinha nada a ver. A amizade seguiu, mas não falei nada pra ele.

Um dia ao encontrá-lo para um show as coisas lá dentro dele também se confundiram. Diferente da minha atitude, ele me contou. Fez os mais lindos elogios a minha pessoa e desse jeito me mostrou muita coisa importante naquele momento tão confuso da minha vida.

Dentro de mim tive um misto de alegria e tristeza. Alegria por saber que o meu jeito de ser, minha verdade, o meu EU mais puro pudesse ter sido capaz de despertar um sentimento tão bonito em alguém tão especial. Ao mesmo tempo esse alguém especial era meu amigo e só o enxergava assim. Tive um medo absurdo de perder o amigo, sem ter o amor. Tive medo que qualquer atitude ou palavra minha pudesse de alguma forma fazer mal a ele. Isso me entristecia.

Não falei mais sobre o assunto. Sabia que podia ser apenas carência. Ele também.

Alguns meses depois, em uma conversa maravilhosa colocamos um ao outro tudo o que pensamos a respeito dos acontecimentos passados. Confirmamos que só há uma amizade cada vez mais forte e um desejo absurdo que o outro seja feliz e realizado.

Vejo por todos os lados as pessoas se emocionando ouvindo a música “Esse cara sou eu” do Roberto Carlos, mas diante de tudo isso que aconteceu conosco fica mais claro que para o amor não existe uma fórmula. Não existe pré-requisitos. Acontece. Se o coração não descompassar, não adianta ser a pessoal idealizada. Para o amor não há check list a ser preenchido. O coração não tem regras, como diz o dito popular é terra que ninguém manda. O amor não se explica, não tem razão.

E que venham os amores pra mim e pra ele. Que nosso coração bata mais forte por alguém que possa, de fato, nos fazer feliz em todos os sentidos.