quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Papai do Céu o levou


Olá,


é isso: meu tio morreu. O câncer o venceu. Papai do Céu resolveu ter perto dele alguém muito especial, então o chamou na madrugada do dia 14 para o dia 15 desse mês. Ele sofreu muito antes de morrer. Não quero escrever sobre isso, apenas pedir que rezem por toda minha família que está sofrendo demais. Sei que a dor vai diminuir e a saudade aumentar, mas a dor da perda é uma dor que não acaba nunca.

Deixo abaixo dois textos: Uma música que sempre que estou muito triste ouço e faço dela meu hino. E um texto enviado por uma amiga no dia seguinte da morte, que me fez chorar, porém refletir.


Sorri

Composição: Charles Chaplin/G.Parson/J. Turner

Sorri

Quando a dor te torturar
E a saudade atormentar
Os teus dias tristonhos, vazios

Sorri
Quanto tudo terminar
Quando nada mais restar
Do teu sonho encantador

Sorri
Quando o sol perder a luz
E sentires uma cruz
Nos teus ombros cansados, doridos

Sorri
Vai mentindo a tua dor
E ao notar que tu sorris
Todo mundo irá supor
Que és feliz

*******************************************

MORTE

~ Que modo simples e maravilhoso de explicá-la. ~


Um homem muito doente virou para seu médico enquanto se preparava para sair da sua sala, e disse:

"- Doutor, estou com medo de morrer. Por favor, diga-me o que há do outro lado".
Calmamente o médico falou:
"- Não sei."

"O senhor não sabe? És um homem cristão e não sabe o que há do outro lado?"
O médico estava segurando a maçaneta, quando ouviu o som de arranhar e gemer do outro lado da porta .
Ao abri-la, seu cachorro entrou correndo e pulou alegremente sobre ele.

Voltando-se para o paciente, o médico disse:

"- Você prestou atenção no meu cachorro? Ele nunca esteve nessa sala antes. Não sabia o que havia aqui dentro. Sabia apenas que o seu mestre estava aqui. E, quando a porta se abriu, ele foi entrando sem medo. Eu sei pouco sobre o que há do outro lado, após a morte, mas tenho certeza de uma coisa: Que meu Mestre estará lá. E isso é o bastante pra mim"

Bjoks

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Coisas entre o céu e a terra


Hoje li o blog da Fernanda (http://eusempresobrevivo.blogspot.com/), pessoa que nem conheço pessoalmente, mas que desperta em mim grande admiração. Ela conta que sonhou com a mãe que já é falecida. Acredito que entre o céu e a terra existam coisas que ninguém consiga explicar e uma delas é a ligação com quem já se foi. Não sou espírita, não creio em reencarnação, mas acredito que quando temos uma ligação muito grande com as pessoas, sentimento verdadeiro nos “conectamos” com mesmo com quem já se foi.
Qualquer um me perguntaria: Baseado em que eu estou dizendo isso? Em experiências já vividas por mim.
Meu avô se foi eu era muito criança, diversas vezes minha mãe ou eu já sonhamos com ele nos avisando, alertando sobre um monte de coisas. É estranho, mas sinto que ele nos observa de algum lugar, uma espécie de anjo. Antes de tomarmos conhecimento do câncer do meu tio, ano passado, sonhei com ele brigando conosco e nos pedindo para ficarmos unidos, e sermos fortes, pois tudo poderia ser superado.
Minha mãe e meu tio depois que se casaram cada um seguiu sua vida. Não conviveram mais como irmãos e sim como meros conhecidos. Nossa família só se reunia em enterros, grandes festas da família e/ou quando alguém se internava e pedíamos o auxílio dele, por ser médico. Quando minha mãe teve o câncer ele foi imprescindível, esteve conosco e depois de superado voltaram a se afastar.
Agora com a doença dele eles se declararam e viram tudo que perderam, sofrem pelo que não viveram. Acho que podiam estar mais juntos e unidos, e se tudo podia ser superado com a nossa união, não foi, de acordo os médicos (suspenderam a medicação e estimaram em três meses a vida dele – TA PHODAAAAA).
O que nos faz sofrer nos ensina a ver a vida de outra forma, e se é algo que aprendi com a perda do meu pai, o câncer da minha mãe, agora o do meu tio e a internação da minha avó que sofre com o mal de alzheimer no último mês, é que a vida sempre nos diz que hoje é o último dia, o amanhã realmente pode não chegar e como já dizia Renato Russo: “A primeira vez é sempre a última chance”.
Prezem pela convivência com quem está próximo, com quem amamos, meça as palavras, peça perdão, usufrua cada momento, seja ele bom ou ruim, pois tudo acaba. Todos nós iremos para algum lugar quando nossa passagem nesse mundo acabar, e se todos esses relacionamentos forem pautados pelo amor, respeito, carinho, gratidão, quem sabe não teremos mais “anjos” olhando por nós?
Não quero mais escrever, pois isso me deixa muito triste. Rezem por minha família. Por minha avó que fez uma cirurgia (depois eu conto), pelo meu tio (não quero que ele sofra mais) e por minha mãe que está muito pra baixo e temo pela saúde dela, além disso, descobrimos que ela está com cálculos renais (doem muito) e que provavelmente terá que ser submetida a uma cirurgia. Não está fácil, mas vamos superar.

* Uma notícia boa: Fui promovida!!!

Fiquem bem.

Bjoks