sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Alinhando.


Vou viajar. Estou de férias e preciso colocar as idéias e o coração em ordem e, de preferência, alinhados um com o outro.
Meu coração tem certeza do que sente, mas está cansado de ser ignorado. Chega uma hora que cansa e dói tanto, que a cabeça pergunta: E aí coração o investimento está valendo a pena? Ainda há algo além de experiência e bons momentos para extrair dessa história? E lembre-se que tais momentos podem ser vividos com outra pessoa, caso você se permita.
E o coração nada tem a responder, pois não sabe por onde seguir. Continua
parado. Numa inércia que parece não ter saída.
Minha vontade de viver é maior e acredito que o que tiver de ser, assim será. Mas nesse momento acho que o melhor a fazer é o que fiz antes, acompanhar de longe e deixar que a minha companhia seja requisitada, ou não. Minha ausência seja sentida, ou não. E me permitir viver.
Eu gosto e gosto muito. Eu sinto e sinto muito por não ter quem eu quero e tanto esperei aqui comigo, mas cansa, desestimula, desanima. Estou assim com relação ao que eu sinto. Nesse momento as experiências mal sucedidas me servem como referência. E eu preciso me permitir viver, sem me enganar.
Quando se gosta como eu gosto, muitos podem passar, mas o que é de verdade fica. Martha Medeiros já diz:

"Independente de tudo o que existe, é o amor que transforma, irrita, movimenta, embeleza, enfeia, impulsiona, destrói, liberta e prende. Em sua órbita, apenas distrações."
Que venham as distrações, afinal se for de verdade ficará e tudo se resolverá, mas se não o que tiver de ser, será.


domingo, 22 de janeiro de 2012

Coisa feita.


"Mas eu gostava dele, dia mais dia, mais gostava.
Digo o senhor: como um feitiço? Isso. Feito coisa-feita.
Era ele estar perto de mim, e nada me faltava.
Era ele fechar a cara e estar tristonho, e eu perdia meu sossego".

Guimarães Rosa.

Assim sou eu. Se ele está feliz, eu fico feliz. Mas se a tristeza teima em bater naquele coração é sempre como se o meu sinta o seu eco e me entristeça também.
O meu gostar há muito já superou o sentimento de posse. O meu gostar há tempo deseja apenas sua felicidade, mesmo que longe de mim, por mais que isso me faça sofrer.
Aprendi que amor é um sentimento que pode ou não ser correspondido, mas relacionamento precisa de duas pessoas que minimamente se gostem e se respeitem.
Sigo em busca de um coração que teme o amor. Não sei até quando, mas ainda estou aqui a esperar que as malas se desfaçam, que as pedras que são carregadas sejam jogadas foras e assim, possamos seguir sem sombras e sentimentos desnecessários.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Fecho os olhos...


Fecho os olhos e lembro-me de tudo que aconteceu naquela noite. Cada suspiro, cada palavra, cada parte do seu corpo, o seu gosto, o seu cheiro, seu olhar, seu prazer em me dar prazer, em me fazer mulher, não apenas no sentido carnal, pois sempre faz com que me sinta especial ao me proteger durante o sono, ao dar gargalhadas assistindo TV.
Tudo ao seu lado, por mais simples que seja, se torna especial seja uma loucura ou um passeio no shopping. É indiscutível. É inquestionável. É fato: Você é especial e me faz especial pelo simples fato de ser o que é e me permitir fazer o mesmo.
Tudo o que é verdadeiro é especial. Em um mundo tão cheio de farsas, de máscaras, de padrões a serem seguidos, poder ser de verdade, sem medo é uma dádiva.
Não temos rótulos. Não temos nome para o que vivemos. Simplesmente vivemos o que a vida nos proporciona. Talvez isso me deixe insegura em alguns momentos, mas aprendi que não importa o tempo que as pessoas ficam em nossas vidas, nem o tempo que os relacionamentos duram, mas sim a intensidade que os fatos acontecem e os momentos especiais que as pessoas me proporcionam; O que nos ensinam e em que nos fazem melhor.
Por ser hoje muito melhor que ontem. Acreditar que amanhã serei muito melhor que hoje. E ter certeza que sua participação em minha vida contribuiu e contribui demais para isso, que eu desejo do fundo de minh ‘alma que dure muito tempo.