quinta-feira, 30 de junho de 2011

O primeiro encontro - É a hora de ir pra cama?


Toda mulher em algum momento da vida se fez a seguinte pergunta: Ir pra cama no primeiro encontro pega mal? É errado? O que será que o cara vai pensar?

A mulher que disser que não, está mentido, por mais segura que seja, em algum momento já se perguntou isso, pode até ser que tenha chegado à conclusão de que essa é uma decisão dela e pouco importa os outros, inclusive o cara (afinal no reino animal sempre é a fêmea que escolhe com quem vai acasalar e quando), mas que pensou, pensou.

Acredito que essa escolha é muito particular e não cabe a minha pessoa generalizar as escolhas feitas pelos outros. Normalmente ouço a ala masculina dizer que não tem nada a ver ir pra cama no primeiro encontro (principalmente quando a “presa” a ser atacada sou eu), porém dos meus amigos, nas rodas de conversa, normalmente ouço que não tem nenhum problema quando o casal já se conhece (amigos) agora se a menina for alguém que acabou de conhecer e ele seduz vira troféu. Isso mesmo: troféu. Se sentem “o cara”: “Fui, cheguei e créu”.

As mulheres por sua vez sabem diferenciar bem “um investimento, seja a longo prazo ou não ,” de um “freelancer”. Na maioria das vezes julgam esses caras que querem fazê-las de troféu da mesma forma que eles as julga: “Não dá pra levar esse cara a sério. Quer levar todas pra cama e só”.

A verdade é que cada um tem sua opinião sobre o assunto e age de acordo com a sua vontade e princípios. Pode ser sinônimo de insegurança pra uns e de segurança pra outros. Pode ser certo pra uns e errado pra outros. O que vale é ser feliz e fazer tudo valer a pena.

A maturidade (tema do próximo post) traz essa vantagem de aceitar o outro como ele é sem radicalismos. Eu com uma boa taurina com ascendente em virgem sou metódica e gosto de ser seduzida. Ir pra cama de cara não é legal. Respeito meus instintos e costumo segui-los, não sou de fazer tipo, mas gosto da arte da sedução. Gosto de ver o outro demonstrar interesse e insistir no que quer. É período de “envolvimento”, profundo ou não (sentimentalmente falando). Gosto de conhecer o corpo do

outro e permitir que conheçam o meu. Esse jogo é interessante. O que ele vai pensar? Não penso muito a respeito, penso em ser o que sou de verdade.

O interessante desse jogo é saber como proceder. Já conheci gente interessante. Já conheci homem que achava que eu era difícil e se fazia de santinho, fazendo o tipo: “Olha pode ficar comigo, eu sou pra casar”. E eu fazendo o jogo, já tendo em mente: “Vou te dar corda pra que você se enforque. RS” Dito e feito. Já teve aqueles que eu pensei que nesse período de “sedução” seria fantástico e descobri que não valeria à pena nem um próximo encontro, cara chato, frio, e sem “tato” para essas coisas do corpo. Nesse período de envolvimento também já descobri pessoas fantásticas e me apaixonei (permaneço apaixonada).

Viver é correr riscos. Seja no primeiro, terceiro, quinto ou até mesmo o último, o mais importante é viver com intensidade o que se propõem, sem neuras. O que o cara vai pensar pesa muito quando esse cara significa algo em sua vida, mas o mais importante é o que você vai sentir, antes, durante e depois. Por isso, equilibrar instintos e princípios é necessário, pois se sentir usada, não vale. Só é usado quem se permite.

Como disse uma mulher de verdade sabe diferenciar um homem de outro e sabe qual a atitude mais adequada quando surge a pergunta: “Me render ou não às minhas vontades e instintos”?

domingo, 26 de junho de 2011

Processos

A frase que melhor descreve o meu momento é:

"Às vezes me dá enjôo de gente. Depois passa e fico de novo toda curiosa e atenta. E é só."
Clarice Lispector

Tenho andando meio que enjoada das pessoas. O problema não são
elas, sou eu mesmo. Acho que ando tã
o perdida nesses processos de mudanças, nas escolhas que tenho que fazer, naquelas que estou adiando que enjoei de tudo, inclusive e, principalmente, das pessoas. Sinto a necessidade de ficar só, mas não é um processo triste é só a vontade de ouvir a minha voz inte
rior. É estranho, pois parece que prec
iso me reinventar, mas me encontro tão bem resolvida comigo... Acho mesmo é que preciso co
nhecer gente nova e estabelecer novos projetos e / ou dar cara nova aos antigos.
Renovação. Talvez essa seja a palavra de ordem do meu momento.
Que eu possa me renovar e me desfazer daquilo que já não mais me serve e me impede
de evoluir.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

De Janeiro a Janeiro

De Janeiro A Janeiro

Composição: Roberta Campos

Não consigo olhar no fundo dos seus olhos
E enxergar as coisas que me deixam no ar, me deixam no ar
As várias fases, estações que me levam com o vento
E o pensamento bem devagar

Outra vez, eu tive que fugir
Eu tive que correr, pra não me entregar
As loucuras que me levam até você
Me fazem esquecer, que eu não posso chorar

Olhe bem no fundo dos meus olhos
E sinta a emoção que nascerá quando você me olhar
O universo conspira a nosso favor
A conseqüência do destino é o amor, pra sempre vou te amar

Mas talvez, você não entenda
Essa coisa de fazer o mundo acreditar
Que meu amor, não será passageiro
Te amarei de janeiro a janeiro Até o mundo acabar

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Escondida


Tem dias que tudo o que eu quero é ter como ficar igual ao gatinho da imagem: ESCONDIDA.
Esconder-me do mundo. Ficar quieta em um canto sem ninguém pra me incomodar, tentando achar as respostas que busco dentro de mim.Esse período tem sido muito confuso por inúmeras razões, mas vou superar. Tenho fé que vou.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

E nem o erro é desperdício



"O tempo faz tudo valer a pena
E nem o erro é desperdício"

O Avesso Dos Ponteiros - Música Interpretada Ana Carolina


Que eu tenha tempo de corrigir os erros que valeram a pena, para me fazerem melhor hoje do que ontem.

Que o tempo não passe sem que eu mude para que esses erros não mais se repitam.

Que eu tenha força e coragem de enfrentar meus medos para que eu os possa cometer menos vezes por me acovardar.

Que eu me perdoe por todos os erros que eu cometi e que por essa razão a vida não caminhou como deveria, pois não adianta culpar os outros, sou eu a responsável pelas minhas atitudes e pela minha vida e sou também a maior interessada na minha felicidade.

sábado, 4 de junho de 2011

Sufocada





"O que tem me mantido vivo hoje é a ilusão ou a esperança dessa coisa, "esse lugar confuso", o Amor um dia. E de repente te proíbem isso. Eu tenho me sentido muito mal vendo minha capacidade de amar sendo destroçada, proibida, impedida."
Caio Fernanado Abreu



Tendo que sufocar todo amor que pulsa em meu peito. As vezes me parece que falta o ar e que de fato estou sendo sufocada. São tantos bons sentimentos que precisam sair aqui de dentro de mim e não consigo... Eu temo por perdê-lo de vez. Temo perder a oportunidade de te ganhar de vez ou não.... é uma confusão de sentimentos, certezas e incertezas... é a segurança de saber o que acontece dentro de mim e a insegurança total ao te ver, e de repente toda angústia acabar no abraço longo, onde encontro o abrigo, o afago que sempre procurei. É o não saber agir. É o não conseguir te olhar nos olhos, pois você me verá através deles... verá minha alma e meu coração, que ainda é seu.